Buscar notícia:
Principal   Seções   Campeonatos   CBJD   Colunas   Clubes   Vídeos   Institucional   Programação   Cadastre-se   Contato
 
COLUNA: BALEIA
Baleia


18/10/2018 - Terça-Feira
Por dentro do circuito das Américas
 


O Circuito das Américas é talvez a melhor obra de Herman Tilke, o projetista preferido de Ecclestone, e é também querido pela maioria dos pilotos. O circuito está situado a poucos quilômetros a sudeste da cidade Austin.

Pioneira. É a primeira pista construída com o propósito de receber a F1 na América do Norte, apesar da categoria máxima já ter corrido em outros nove diferentes locais no país, a saber; Sebring, Riverside, Watkins Glen, Long Beach, Caesars Palace, Detroit, Dallas, Phoenix e Indianapolis.

Inspiração. As seções mais desafiadoras da volta foram inspiradas por algumas das grandes curvas de todo o mundo. O setor 1 contém algumas curvas rápidas semelhantes ao complexo Maggotts-Becketts em Silverstone. O setor 2 tem uma curva parecida com o ‘S’ do Senna em Interlagos, e o setor final tem uma curva longa de várias ‘pernas’ lembrando a curva 8 de Istambul Park.

Contrario. Essa pista, junto com a do Azerbaijão, Cingapura, Brasil e Abu Dhabi é uma das cinco do calendário deste ano no sentido anti-horário. Ela também tem uma mudança de elevação de 41 metros, sendo o ponto mais elevado o ápice da curva 1, e muitas das curvas têm entradas e saídas cegas. O circuito tem mais curvas de mais de 250 km/h do que Spa e mais curvas abaixo dos 100 km/h do que a Hungria. Para ser rápido, o piloto tem que ser muito preciso.

Quebra cabeça. O acerto de carro é uma dor de cabeça para os engenheiros e pilotos. Pois precisa ter o compromisso entre a velocidade em reta e aderência em curva. A reta oposta de 1 km incentiva os engenheiros a reduzir os níveis de asa, mas a necessidade de aderência nos setores 1 e 3 pede máxima pressão aerodinâmica, como tem sido o caso na maioria das pistas deste ano.

Medidas. A pista tem 5.513 metros e a corrida é realizada em 56 voltas perfazendo um total de 308.405 kms. Possui duas zonas de DRS, Sendo uma na reta dos boxes e outra na reta entre as curvas 1 e 12.

Freada para curva. Os pilotos fazem a aproximação da curva a 320 km/h e contornam-na a 87 km/h. a distancia da frenagem é de 140 metros e a duração (tempo) da frenagem é de 1,1 segundos. A desaceleração é de 4,7g e a pressão sobre o pedal de freio 115 kg.

A previsão do tempo para Austin é de 90% de possibilidade de chuva no sábado e no domingo tempo parcialmente nublado com a temperatura variando de 11º a 20º.

* Essa etapa e a do México não terão transmissão da Globo

PROGRAMAÇÃO DO GP DAS AMERICAS

Sábado, 20 de Outubro de 2018 Treino Livre 3 15:00 – (SporTV) Classificação – 18:00 – (SporTV)

Domingo, 21 de Outubro de 2018 Corrida – 15:00 (SporTV)

UM OTIMO FINAL DE SEMANA


 
 
   
 

Colunas
 
 
Coluna do BALEIA
 
#20- GP |Brasil – o lado Nigel Mansell voltou
Veja todas as colunas deste colunista.
 
 
Coluna do BALEIA
 
GP DAS AMERICAS – PERMISSÃO PARA VENCER
Veja todas as colunas deste colunista.
 
 
Coluna do BALEIA
 
Por dentro do circuito das Américas
Veja todas as colunas deste colunista.